A Diretiva Geral de Segurança de Produtos 2001/95/CE

Existem produtos, incluindo muitos objetos do cotidiano, que eles não estão sujeitos a regulamentos de segurança específicos.
Embora muitos empresários não saibam, estes bens são regulamentados pela Diretiva 2001/95/CE do Parlamento Europeu e do Conselho sobre segurança geral dos produtos, que abrange e regula todos os produtos e serviços.
Sim, até os serviços.
Por exemplo, os audioguias nos museus ou os dispositivos de compras “faça você mesmo” nos supermercados não estão sujeitos a normas específicas, mas devem cumprir os requisitos gerais de segurança dos produtos.

Não importa se o item em questão é novo, usado ou recondicionado.
Relatamos uma passagem de Diretiva 2001/95/CE do Parlamento Europeu e do Conselho relativamente à segurança geral dos produtos, que é muito claro a este respeito:

“Para efeitos da presente directiva, “produto” significa:
qualquer produto destinado, inclusive no contexto da prestação de serviços, aos consumidores ou capaz, em condições razoavelmente previsíveis, de ser utilizado pelos consumidores, mesmo que não se destine a eles, fornecido ou disponibilizado mediante pagamento ou gratuitamente no contexto de uma atividade comercial, independentemente de ser nova, usada ou reformada"
.

Ninguém excluído, portanto.
Muitas empresas transformadoras, talvez enganadas pela falta de regulamentação específica ou talvez atraídas pela possibilidade de não terem de investir na fase de testes, colocam no mercado produtos inseguros.

Deixando de lado por um momento a lei e as possíveis sanções para os infratores, a comercialização de produtos não conformes também introduz considerações éticas. Não se trata apenas de padrões, mas também da confiança dos seus clientes e, consequentemente, da reputação da empresa.
Especialistas em estratégia e comunicação têm dedicado muitos estudos à importância da imagem da marca, principalmente na internet.
Não é preciso muito para que, graças à potência e velocidade da rede, um erro cometido mesmo de boa fé possa destruir todo o bom trabalho realizado.

Citamos uma passagem de Pacote de segurança dos produtos e fiscalização do mercado, muito claro e exemplar:

“Num contexto de crise económica, os gastos dos consumidores diminuíram, sobretudo devido à contracção dos rendimentos e às incertezas sobre o futuro.
Por esta razão, é necessário que os consumidores possam continuar a ter confiança na segurança dos produtos e na sua adequação à finalidade para a qual foram concebidos"
.

SegurançaColocar produtos seguros no mercado é um ato de respeito para com o cliente.
Na verdade, o consumidor não só o escolheu entre outros concorrentes como também investiu num produto que deve ser funcional, seguro e alinhado com as expectativas.

Pensemos em uma família de renda média onde os pais, com dificuldade, decidem agradar o filho dando-lhe o objeto de desejo, aquele que todos possuem.
Por ser caro, os pais decidem optar pela versão um pouco mais barata, mas igual às demais.
Eles estão tranquilos porque compraram em uma loja.
Na realidade, o objeto não foi submetido a testes de segurança.
Faz parte dessa categoria de produtos não sujeitos a regulamentações específicas e a empresa-mãe não considerou apropriado investigar mais a fundo.
Um dia o produto quebra, correndo o risco de ferir a criança.
É natural que a família se sinta traída pela empresa, saqueada e temos certeza que não escolherá mais a empresa em questão, talvez causando também má publicidade entre amigos e conhecidos

Para os fabricantes, conte com laboratórios de testes sérios e confiáveis, como Sicom Testing é um investimento em seus produtos e na fidelização de clientes.
Mesmo que o bem em questão seja um objeto pequeno e aparentemente inofensivo, mesmo que não tenha normas de segurança específicas, recorrer a laboratórios sérios e qualificados sempre compensa.

A Directiva 2001/95/CE relativa à segurança geral dos produtos não protege apenas o cliente final, mas também a própria empresa que, se se tornasse responsável por acidentes ou problemas, além de ser criminalmente responsável, teria então de trabalhar arduamente para limpar melhorar sua imagem e reconquistar a confiança do cliente.

Aplica-se também ao setor elétrico e, especificamente, aos produtos que possuem alimentação inferior a 50 Volts em corrente alternada e inferior a 75 Volts em corrente contínua.
Muitos objetos fundamentais para o dia a dia pertencem a esse macrogrupo, basta pensar na escova de dente elétrica ou no barbeador.

Um simples testes de segurança elétrica pode prevenir acidentes para usuários e produtores.

Para estar em conformidade, basta aplicar a Directiva 2001/95/CE relativa à segurança geral dos produtos e contar com laboratórios especializados, como Sicom Testing.

Você pode ter certeza e, em última análise, é o gesto mais gentil que você pode fazer para com seus clientes.

Stefano Olzi

Sicom Testing oferece um serviço completo para testes de segurança elétrica dos produtos.

Para solicitar mais informações sobre este tema, escreva para info@sicomtesting.com
ou ligue para +39 0481 778931.

Artigos relacionados

exposição_humana telefone chuva Análise de diagrama elétrico Segurança Sistema de medição SAR

4 comentários em “La direttiva sulla Sicurezza generale dei Prodotti 2001/95/CE”

  1. Saudações,
    Uma caixa de plástico desinfetante para exterior para espreguiçadeiras é abrangida pela Diretiva Máquinas ou pela Diretiva 2001/95/CE?

    Obrigado
    Simão

    Responder
    • Bom dia.
      Um produto está abrangido pelo âmbito de aplicação da Diretiva Máquinas se tiver pelo menos uma parte móvel movida por uma força diferente da força direta humana ou animal (portanto, normalmente por um motor).
      Se o produto em questão possuir uma ou mais peças móveis movidas por motores, ele se enquadra no âmbito de aplicabilidade e deverá ser certificado de acordo com a Diretiva de Máquinas.
      Saudações do Sicom Testing

      Responder
  2. Saudações,
    Tenho que importar um produto da China para depois revendê-lo na Europa, pelo que li no seu artigo cheguei à conclusão que para estar em conformidade devo aplicar a Diretiva 2001/95/CE, gostaria de lhe perguntar como fazer isso e quem devo contatar.
    Aguardando a sua resposta, envio-lhe os meus melhores cumprimentos,
    Matteo.

    Responder
    • Bom dia Matteo, obrigado por nos contatar. A aplicação da directiva implica que o fabricante realize uma avaliação dos riscos associados à utilização do produto e demonstre a sua conformidade com os requisitos aplicáveis. Para mais informações pode contactar-nos em info@sicomtesting.com
      Atenciosamente
      Equipe Sicom

      Responder

Perguntas e comentários

Se você tiver alguma dúvida ou comentário
Sicom Testing terá prazer em responder você.