A Diretiva de Baixa Tensão (LVD)

A Diretiva 2014/35/UE do Parlamento Europeu e do Conselho - datada de 26 de fevereiro de 2014 e implementada em Itália pelo Decreto Legislativo n.º 86, de 19 de maio de 2016 - harmoniza a legislação dos Estados-Membros em relação aos equipamentos elétricos destinados a serem utilizados dentro de limites de tensão específicos. A directiva visa garantir que o equipamento eléctrico envolvido tenha protecção adequada contra perigos eléctricos de vários tipos. Referindo-se às normas técnicas IEC/ISO EN - que os fabricantes de produtos elétricos devem cumprir - a Diretiva explica os riscos esperados para a saúde e a segurança, definindo os parâmetros para os quais os dispositivos são seguros no que diz respeito ao uso pretendido.

Esta directiva enquadra-se no quadro legislativo da livre circulação e comercialização de produtos na comunidade europeia. O seu objetivo final é evitar os riscos associados a um produto ou fenómeno, defendendo assim um interesse comum dos cidadãos e das empresas europeias.

O nome em inglês para esta diretiva é: Diretiva de baixa tensão;

Sua sigla abreviada é: LVD;

O seu código é: 2014/35/UE;

As directivas anteriores sobre este tema, que já não estão em vigor, são: 2006/95/CE, 73/23/CEE.

É útil conhecer as referências das antigas directivas porque são frequentemente encontradas na documentação de produtos ou componentes, mas também nas leis e regulamentos europeus, caso não tenham sido actualizadas recentemente.

Campo de aplicação: A Diretiva 2014/35/UE (LVD) diz respeito a equipamentos elétricos de corrente alternada e de corrente contínua com tensão nominal entre 50 e 1000 V e entre 75 e 1500 V, respetivamente.

Requisitos essenciais: os produtos abrangidos pelo âmbito de aplicação da directiva, a serem colocados no mercado europeu, devem cumprir os requisitos essenciais descritos no Anexo 1 da directiva. De um modo geral, os requisitos essenciais da directiva dizem respeito a um elevado nível de protecção da saúde e da segurança das pessoas, dos animais domésticos e dos bens, garantindo simultaneamente o funcionamento do mercado interno.

Conteúdo principal da diretiva

  • Instalações
  • Campo de aplicação
  • Definições
  • Requisitos essenciais
  • Obrigações do fabricante
  • Obrigações dos outros operadores económicos
  • Movimento livre
  • Presunção de conformidade e normas harmonizadas
  • Avaliação de conformidade
  • Organismos notificados
  • marcação CE

Análise de circuitoInstalações

As motivações que levaram à redação da própria diretriz são entendidas como “Premissas”.

Campo de aplicação

O âmbito de aplicação define as categorias de produtos ou fenómenos regulados pela directiva. Muitas vezes, um critério geral é expresso acompanhado de listas explícitas de produtos/fenómenos que estão sujeitos à directiva e de produtos/fenómenos que estão excluídos da directiva, a fim de esclarecer situações específicas.

Definições

A secção “Definições” inclui todas as explicações específicas dos principais termos utilizados na directiva, úteis para uma compreensão completa do campo de aplicação.

Requisitos essenciais

Os requisitos essenciais são os requisitos que o produto deve cumprir para ser colocado no mercado. Muitas vezes, os requisitos essenciais encontram-se no Anexo I da Directiva.

Obrigações do fabricante

O fabricante (ou o seu representante autorizado na Comunidade Europeia) é o principal responsável pela colocação de um produto no mercado. Este capítulo descreve as obrigações e procedimentos que deve seguir, consultando os anexos da diretiva para explicações e regulamentos mais detalhados.

Obrigações dos outros operadores económicos

Os distribuidores e retalhistas também são responsáveis se comercializarem artigos que não cumpram as directivas europeias. Devem verificar se o fabricante realizou o teste de segurança elétrica, se o produto possui a declaração de conformidade UE e se ostenta a marca CE.

O potencial importador deve garantir que foram cumpridos os procedimentos de verificação da conformidade do produto, deve verificar a presença da marcação CE e garantir que a documentação técnica do produto está à disposição das autoridades nacionais competentes.

Movimento livre

Os Estados-Membros devem presumir que os produtos que ostentam a marcação CE cumprem todas as disposições das directivas aplicáveis que exigem a sua aposição. Não podem, portanto, proibir, limitar ou impedir a colocação no mercado e a entrada em serviço no seu território de produtos que ostentam a marcação CE, a menos que as disposições relativas à marcação CE tenham sido aplicadas indevidamente.

Presunção de conformidade e normas harmonizadas

As directivas do nosso interesse estão associadas a uma lista de normas harmonizadas que é publicada no Jornal Oficial Europeu. As normas harmonizadas tornam muito mais fácil verificar a conformidade de um produto com os requisitos de uma directiva. Estas normas descrevem detalhadamente como devem ser realizados os testes ou outros tipos de avaliação necessários à verificação da segurança elétrica.

Se estiverem disponíveis normas harmonizadas para um produto que cubra todos os requisitos da directiva - se estas normas forem aplicadas de forma completa e o produto passar todos os testes exigidos pelas próprias normas - então pode-se presumir que o produto cumpre os requisitos de segurança. Na ausência de normas harmonizadas adequadas ao produto, o caminho é mais complicado e caro.

Equipar um laboratório adequado para realizar os testes exigidos pelas Normas Harmonizadas é bastante caro. Por esta razão, os fabricantes recorrem frequentemente a laboratórios de testes externos para testes de segurança elétrica.

Organismos notificados

Na Europa é o organismo que pode realizar uma avaliação de conformidade agindo como terceiro ou avaliar se a realizada pelo fabricante e pelos seus laboratórios de confiança é correta. Na maioria dos casos, porém, a utilização de um organismo notificado não está prevista ou, em qualquer caso, não é necessária.

marcação CE

Os produtos que cumpram todas as disposições das directivas aplicáveis que exigem a marcação CE devem ostentar a mesma. Esta marcação é, em particular, uma indicação de que os produtos cumprem os requisitos essenciais de todas as directivas aplicáveis e que foram submetidos a um procedimento de avaliação de conformidade previsto pelas próprias directivas. Os Estados-Membros são também obrigados a tomar as medidas necessárias para proteger a marcação CE.

A Sicom Testing com sua vasta experiência oferece uma ampla gama de serviços para testes de segurança elétrica.

Para solicitar mais informações sobre este tema, escreva para info@sicomtesting.com
ou ligue para +39 0481 778931.

Artigos relacionados

exposição_humana telefone chuva Casa de Família Segurança Sistema de medição SAR

47 comentários em “La Direttiva Bassa Tensione (LVD)”

  1. Boa noite. Gostaria de saber se os relatórios de teste de LVD são obrigatórios para disjuntores e requerem a intervenção de um órgão notificado. A mesma pergunta para as luzes de Natal. Obrigado

    Responder
    • Bom dia,
      Os disjuntores se enquadram no LVD, portanto, são necessários relatórios de teste para demonstrar conformidade; a intervenção de um organismo notificado não é necessária, uma vez que, de acordo com a premissa (9) da Diretiva LVD: "A presente diretiva não prevê qualquer procedimento de avaliação da conformidade que exija a intervenção de um organismo notificado."
      No que diz respeito às luzes de Natal, estão abrangidas pelo LVD se se destinarem a ser utilizadas com uma tensão nominal entre 50 e 1.000 V em corrente alternada e entre 75 e 1.500 V em corrente contínua, caso contrário estão abrangidas pela directiva geral de segurança de produtos (2001/ 95/CE); além disso, se forem utilizadas várias luzes de Natal para criar uma instalação, esta última (em Itália) também deve cumprir o regulamento de instalações.
      Atenciosamente
      Teste Sicom

      Responder
  2. Que orientações devo seguir para um painel fotovoltaico de varanda de 39V e 10,8A DC... com um microinversor de 350W a 230Volt AC conectado à rede doméstica em paralelo com o distribuidor (plugado)? Estaríamos falando de uma potência final com 1 painel de 350W enquanto com 2 em paralelo de 700W em AC.

    Responder
    • Bom dia,
      Os módulos individuais devem cumprir os requisitos das directivas:
      -Baixa voltagem
      -Compatibilidade eletromagnética
      -RoHS
      Atenciosamente
      Teste Sicom

      Responder
      • Mas o conjunto “painel+inversor+caixa com proteções+plugue” não deveria ter uma única marcação CE como um todo, mesmo que os componentes individuais já possuam a marcação?

        Responder
        • Bom dia,
          Se o “painel+inversor+caixa com proteções+plugue” montado for vendido ao usuário final como um produto único, sim, deverá ter uma marcação única, as diretrizes aplicáveis são as mesmas.
          Atenciosamente
          Teste Sicom

          Responder

Perguntas e comentários

Se você tiver alguma dúvida ou comentário
Sicom Testing terá prazer em responder você.